Desembargadora destaca importância do Proname na abertura do VI Encontro Nacional da Memória da JT em Porto Velho

O conferencista Anísio Gorayeb falou em seguida da "Saga dos trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré" que ajudaram a construir a chamada "Ferrovia do Diabo" no Século XX, considerada uma das obras mais audaciosas da época e que obrigou Percival Farqhuar a contratar cerca de 20 mil trabalhadores em diferentes países do mundo, principalmente de nacionalidade barbadiana, para trabalhar no trecho ferroviário de Porto Velho a Guajará-Mirim no qual teriam morrido cerca de 6 mil homens, vítimas de doenças com a malária e outras endemias.




A importância do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário (Proname), criado há quatro anos com o objetivo de integrar os Tribunais, foi ressaltada quarta-feira (17) pela presidente do TRT da 14ª Região, desembargadora Vania Maria da Rocha Abensur, na abertura do VI Encontro Nacional da Memória da Justiça do Trabalho em Porto Velho (RO).

De acordo com a presidente, estudiosos ensinam que a importância de preservar informações em quaisquer tipos de suporte provem da necessidade de resguardar o passado, no intuito de entender o presente e fazer prospecções ao futuro com base nas experiências vivenciadas anteriormente. por meio do Fórum de Gestão Documental buscar a padronização dos processos de trabalho.

Fatores culturais são transmitidos ao longo do processo histórico, de geração em geração, norteando a forma de agir e pensar de uma sociedade, e é conhecendo a história que construímos o processo evolutivo. "Por isso destacamos a importância e a necessidade de fortalecermos a preservação de nossa memória e de nossa história", disse Vania Abensur.

O Proname tem ainda como outros objetivos, por meio do Fórum de Gestão Documental, a padronização dos processos de trabalho através da padronização com as tabelas de temporalidade de documentos unificados do Judiciário e manuais de gestão documental, e contribuir para a preservação e divulgação dos documentos de valor histórico do Programa de Memória.

O novo presidente do Fórum Permanente da Memória da JT, desembargador do TRT da 8ª Região, Luiz José de Jesus Ribeiro, eleito quarta-feira à tarde em Porto Velho, destacou que a implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe) representa apenas uma mudança de suporte e explicou que o Fórum vai trabalhar com a preservação da memória e defendeu maior prudência quando a opção for pela eliminação do documento. Ele ressaltou, ainda, que o conceito de museu atualmente é trabalhado de forma mais dinâmica, com ênfase na interatividade das mídias, e por isso não pode mais ser estático e sim ter caráter itinerante.

O desembargador fez também a apresentação dos "Anais do V Encontro Nacional da Memória da Justiça do Trabalho", realizado em 2010, em Belém (PA), com o tema "Norte do Trabalho, Cultura e Memória".


Um dos momentos que fez a plateia levantar e aplaudir de pé foi a apresentação do coral "Vozes da Justiça", composto por servidores coralistas do TRT, TRE, Ministério Público e voluntários que, sob a regência da maestrina Sabrynne Sampaio de Sena, homenageou os participantes com um pout porri de músicas da maioria das regiões brasileiras.

O lançamento do livro "As viagens dos Vassalos do Rei Salomão ao Rio Amazonas", escrito pela juíza aposentada Lídice Canella (TRT 14ª Região), marcou o encerramento do primeiro dia de programação do encontro, que se entenderá até o dia 19 de outubro.

Ascom TRT 14